SIGA-NOS PELO EMAIL

Conheça a sala de bate papo que esta revolucionando o mundo virtual

Club Cooee

BATE PAPO RESGATE E VIDA

pratas e folheados

sábado, 1 de dezembro de 2012

A Palavra que sustenta

A Palavra que sustenta

     Ao nos voltarmos para Deus, estamos nos aproximando de alguém maior, que não é mortal como nós, que já existia antes de nós e que continuará existindo para sempre, ou seja, uma base bastante sólida onde podemos nos apoiar.
     Esse eterno Deus entrou em contato conosco, e continua se comunicando, através da palavra que se tornou gente, do “verbo que se fez carne”. Palavra. Uma saborosa riqueza do texto bíblico pode ser aqui degustada, como explica Evaristo Miranda. No grego, “palavra” ou “verbo” é logos, fonte espiritual da razão, discernimento, inteligência e sabedoria.
     A Palavra de Deus, no hebraico davar, palavra feminina, significa também “abelha”. Verbo ou palavra que nutre como o pão e o mel, alimento luminoso que sustenta o caminhante no deserto.
     João Batista, o homem da palavra inspirada (davar), profeta, vivia no deserto (mi-dabar) alimentando-se da energia da abelha, dvorá. Para todos os momentos da vida, agora mesmo, podemos ser sustentados pela palavra de Deus, que nos inspira e direciona para a presença de Deus.
Para nos apresentar a palavra que sustenta o verbo que se tornaria carne, a palavra de vida eterna João Batista retoma e amplia a mensagem de Genesis 1, onde, desde a eternidade, aquele que é a palavra (o verbo Divino) já existia.
     Ele estava com Deus e era Deus. O autor da vida e luz dos homens se junta amorosamente com a humanidade.
     Vem da eternidade, aparece no tempo humano, encarna-se e faz história conosco, chamando-nos para sua companhia na eternidade futura.
     

O evangelho de João

O evangelho de João

    O evangelho de João é baseado em uma certeza: Deus veio ao mundo na pessoa de Jesus Cristo, ao encontro do ser humano (1.14).
    Foi uma decisão autônoma e livre de Deus, ninguém lhe sugeriu, nem ordenou, nem mesmo o homem lhe avia pedido por socorro.
    João interpreta o nascimento de Jesus fazendo-o base absoluta da fé cristã, é desta base que parte o ministério, a paixão, a ressurreição e a ascensão do Senhor.
    É por isto que o comentário de João tem seu centro no amor (3.16), apontado como causa de toda a ação divina; O amor aparece como a ação de aproximar-se, cuidar, atender, defender...
    Psicologicamente este fato é um poderoso fator de tranqüilidade, confiança e esperança. Pode-se até dizer que o amor de Deus é um poderoso fator anti-estresse. É ele o que mais facilita a integração da personalidade humana, dando-lhe mais poder de autoconhecimento, de comunicação, criatividade e realização. O fundamento da ação de Deus não se encontra na lógica, e sim no amor ativo __o fato de Deus importa-se com o homem aponto de vir buscá-lo por meio de Cristo.
    Então o evangelho de João pode chamar-se “o evangelho da fé”, sendo este referência bem clara (11.25-26; 20.30-31). O evangelista não aponta para o “explicar”, mas sim para o “crer”, crer no amor de Deus¸ que enviou Jesus para salvar a gente humana da morte eterna.
    Portanto, a fé é o meio para se obter a vida eterna, também chamada de vida nova e abundante. O que Deus nos trouxe em Cristo não são regras de vida __ como os fariseus queriam; nem idéias __ como os gregos queriam; Deus oferece a si mesmo! (14.8-9).
    Em João vemos com toda clareza que Deus, por sua ação de colocar-se dentro do ambiente humano por meio de Cristo, oferece apoio emocional e até afetivo á pessoa humana, mais concretamente do que tudo o que fizera antes com os patriarcas e profetas.
    Na verdade, tudo o que Deus fez com eles e por meio deles era um prelúdio do que fez em Cristo visível e tangivelmente; As frases de Jesus em João 15.9,13 esclarecem isto: “Assim como o pai me ama, eu amo vocês; Portanto continuem unidos comigo por meio do meu amor por vocês... Ninguém tem mais amor por seus amigos do que aquele que da a sua vida por eles.”
    Tudo isto forma uma belíssima e fortíssima base de apoio psicológico para afastar de nós o medo, a depressão, o pânico, o esgotamento, etc. Também mostra que Deus é quem nos dá o melhor em termos de auto-estima, nas palavras de Jesus em João 15.15. “Eu não chamo mais vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que seu patrão faz; mas chamo vocês de amigos, pois tenho dito a vocês tudo o que ouvi de meu Pai”.
   Isto ecoa Isaias 41.8, quando Deus diz que Israel é “descendente de Abraão, meu amigo”.
   Que maravilha ser chamado pelo próprio Deus de “amigo“! Pois bem, no conjunto do Evangelho de João vemos claramente que este tratamento é estendido a todos os que crêem em Cristo e o amam. Isto é um verdadeira “cura”.
Fonte: Bíblia de estudo conselheira.
Editado por Pr. Jefferson carvalho.            

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Ganhe dinheiro com seu blog ou site

Olá meus amigos gostaria de passar para vocês que tem um site ou blog uma forma de ganhar
um dinheiro extra, apesar de tudo, é sempre bom ganhar dinheiro, agora, ganhar
dinheiro enquanto navegamos pelo nossos sites, blogs ou falamos com nossos
amigos no msn ou redes sociais é melhor ainda, vocês não acha.
Eu conheci uma pessoa na internet que me indicou alguns sites e disse que eu
iria ganhar dinheiro enquanto navegava na internet, no comesso eu não acreditei,
pensei comigo, como vou ganhar dinheiro postando no facebook ou no orkut, mas
mesmo sem acreditar resolvi ver como funciona, apesar de tudo já estou na internet
mesmo, então mesmo sem acreditar comecei a visitar os sites que ele me indicou,
dentre eles conheci tres que só de eu me cadastrar já ganhei, ai fiquei mais curioso
ainda, fui explorando o site e aprendi como fazer para ganhar um extra, apesar de tudo
não tem nada melhor do que ganhar dinheiro enquanto navego no facebook ou falo
no msn.
A primeira indicação que quero fazer é o... leia o artigo completo em meu site www.informativogospel.comunidades.net

sábado, 3 de novembro de 2012

SEXO, um Pecado?

SEXO, um Pecado?
“Nos últimos dias haverá tempos difíceis. Pois os homens serão egoísta, avarentos, orgulhosos, vaidosos, xingadores, ingratos, desobedientes... Não terão amor para com os outros e serão duros, caluniadores, sem domínio próprio; violentos e inimigos do bem. Serão traidores, atrevidos e cheios de orgulho. Amarão mais os prazeres do que a Deus. Terão a forma exterior da nossa religião, mas rejeitarão o seu verdadeiro poder. Afaste-se dessa gente. Alguns deles entram nas casas e conseguem dominar mulheres fracas, que estão cheias de pecado e que são levadas por toda espécie de desejos.”  2Tm 3.1-6
O Homem foi criado por Deus (de forma alguma, uma versão melhorada do macaco, como afirma a ciência), para a manifestação de Sua glória (Jo 14.15,23); isto é possível  quando a criatura reconhece a soberania do Criador, abandonando o pecado e tomando posse do sacrifício de Cristo (Ef 2.10; 2Co 5.17; 7.1). A vida de retidão transforma o corpo em templo, habitação do Espírito Santo. A presença do Espírito na vida humana a faz resplandecente e a agracia com os dons, autoridade e poder para manifestar o Reino de Deus.   
O diabo odeia profundamente ao Criador e criatura. Ele possui perfeita noção do cuidado e da grandiosidade do amor do Senhor para com a vida humana. Esta situação o deixa profundamente irado e, planos são traçados no reino das trevas visando à destruição do homem. O inimigo reconhece que o fim se aproxima, - tem convicção que o Senhor está voltando – e não perde tempo, trabalha incansavelmente para o desenrolar do plano destrutivo. As frentes de ações do maligno são amplas, por exemplo:
Na área espiritual:A proliferação de cultos contrários aos princípios Bíblicos é assustador; inclusive o surgimento  e disseminação de religiões declaradamente satânicas. A TV tornou-se um veículo poderosamente usado na propagação de tais princípios, a cada momento depara-se com um “feiticeiro” de plantão, mostrando o futuro ou aconselhando as pessoas.
Na sociedade: Os problemas sociais são os mais diversos possíveis (fome, falta de moradia, emprego, violência, etc.), com ênfase na degradação moral. O sexo é usado sabiamente pelo diabo e através dele inúmeras vidas são aprisionadas pelas corrente da imoralidade. Os pecados sexuais são cada vez mais comuns.
O sexo é verdadeiramente ruim?De formal alguma! É um canal de prazer deixado por Deus aos homens e quando praticado de forma normal e  natural e dentro de uma união conjugal é totalmente aceitável. O sexo foi criado por Deus visando à procriação, como é comum a todos os animais. Mas, ao ser humano o Eterno permitiu que além da idéia principal de procriação, as relações sexuais fossem fonte de prazer e que naturalmente complementasse a vida conjugal (sexo, abençoado, apenas no casamento). O diabo aproveitou-se da situação e plantou nos corações a malícia, que desencadeia toda uma série de desejos imundos, fortes o suficiente para escravizar o homem. A mulher tornou-se nas mãos do inimigo um objeto, sedutor, cuja imagem é usada em quase todas as áreas. Na TV, a sensualidade e o erotismo são usados para aumentar os índices de audiência e para vender todo tipo de objetos –de pneu a arroz!
Veja a seguir alguns pontos importantes sobre o sexo:

a) Deve ser praticado pelos meios naturais:
(Rm 1.24-27; 6.19; Ef 4.19; Hb 13.4; 2Pe 2.10). É facilmente comprovada pela ciência a função de cada órgão de nosso corpo.  E os órgãos que foram criados por Deus para as relações sexuais, são a vagina e o pênis. Um foi feito para o outro.
1)
O sexo oral & Anal - é fruto da impureza, gerada pela carne. "Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia..." Gl 5.19 (Impureza - no sentido moral: impureza proveniente de desejos sexuais, luxuria, vida devassa; Lascívia - Conduta vergonhosa, como sensualidade, imoralidade sexual, libertinagem, luxúria). É impossível tal prática, sem que a carne esteja totalmente tomada por sentimentos poucos nobres.
2) Masturbação - Não resta-nos dúvidas quanto a pecabilidade desta pratica, ela se enquadra nitidamente entre os frutos produzidos pela carne (Veja mais sobre masturbação, clique aqui).

Nossa vida é o templo, habitação, do Espírito Santo e todos os atos pecaminosos cometidos resultam em sujeiras que invadem a casa do Espírito, provocando o Seu afastamento.
"Fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo. Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.” 1Co 6.18-20
É preciso a consciência que a vida não é nossa, somos resgatados pelo Eterno para sermos segundo a Sua vontade e instrumentos na manifestação de Sua glória. O impulso de pecar tem a sua origem  na mente, são os pensamentos impuros sugestionados pela carne ou pelo próprio inimigo e a prática destes produz o pecado. Todos nós estamos sujeitos aos pensamentos contrários à vontade do Pai, mas, como servos não devemos permitir que eles cresçam e tome todo o nosso ser. É preciso evitar todas as formas que desperta na vida tais desejos imundos, por exemplo: sites pornográficos / eróticos; filmes eróticos; revistas; conversar sobre o tema com amigos e tudo mais que desperta a nossa carne para os desejos impuros. A recomendação é:   "Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento."  Fp 4:8
b) Sexo, exclusivamente no casamento: (Mt 5.27,28; 1Co 7.2,5; At 15.29; 1Co 7.2) O Sexo é uma benção deixada por Deus aos homens para ser praticada exclusivamente dentro da união conjugal.  Sua prática fora do casamento é pecado!
c) Inaceitável no namoro / noivado: (Gl 5.19; 1Co 6.18; Ef 5.3; Cl 3.5) A impureza é um pecado sexual. Todos os atos impuros praticados entre casais não casados é fruto da carne. A fornicação é um pecado! Com certeza não vamos encontrar na Bíblia um texto que literalmente faça alusão às práticas sexuais impuras de uma forma explicita; mas, no conjunto da Palavra, facilmente vemos que tudo aquilo que é praticado de uma forma antinatural ou impura é errado.

A Palavra do Senhor é assim mesmo, simples e de fácil entendimento. Para que todos que a lêem, possam praticá-la (Mt 11.25; 1Co 2.1-5). As controvérsias existentes no meio cristão sobre o assunto, têm suas origens em vidas que se deixam influenciar pelos espíritos maus e buscam dar vazão aos desejos da carne.
Devemos dar lugar ao Espírito de Deus, jamais aos espíritos malignos. O amor a Deus e a santidade no viver, é indispensável.

Pr Elias R. de Oliveira
 

domingo, 8 de julho de 2012

Roupas não vão nem levam ao inferno, mas expressam o que você é


Roupas não vão nem levam ao inferno, mas expressam o que você é

 
"Edifica “Eu me regozijo muito no Senhor; a minha alma se alegra no meu Deus. Pois Ele me cobriu com vestes de salvação e me envolveu com o manto de retidão, como o noivo que se adorna com um turbante, e com a noiva que se enfeita com as suas jóias”. Isaías 61:10.
Estava eu em um estabelecimento comercial, quando me deparei com uma jovem irmã evangélica, pertencente à Assembléia de Deus. Entre uma conversa e outra, a irmã externa seu desejo de abandonar a denominação cristã da qual faz parte sob o pretexto de não suportar as pressões exercidas sobre ela pelos líderes com relação ao seu visual, especialmente no uso de certas roupas (segundo ela “discretas”). Confidenciou-me a sua vontade em usar, por exemplo, uma calça comprida ou um batom de tom suave, ao mesmo tempo, que me indagou sobre o meu comentário relativo ao assunto.

Em seu famoso livro “Você é o que você aparenta”, William Thourlby afirmou que “inconscientemente ou não o vestuário revela um grupo de crenças sobre nós mesmos que queremos que o mundo creia” (1980, pág.52). Tanto isso é verdade que grandes empresários hoje revelam uma preocupação um tanto quanto exagerada com a importância da aparência, do se vestir bem, como definidores para a comercialização dos seus produtos. A Bíblia Sagrada também revela a importância do vestuário. Literal ou simbolicamente podemos perceber através das numerosas histórias e versículos concernentes ao adorno apropriado ou não.
As vestimentas são um testemunho visível e silencioso de nossos valores morais. Digo isto para quem tem condições de escolher a roupa que quer se vestir. Não que um traje elegante represente uma pureza de espírito e uma honradez de caráter. Sabemos que muitas pessoas de mau caráter se escondem por trás de um fino traje destacado socialmente. Mas não é para essas pessoas a quem me dirijo; e sim, aos filhos de DEUS; aos que possuem um traje espiritual incorruptível com os costumes mundanos. Essas pessoas, diferentes das outras, devem expressar a sua Luz através também de um vestir-se convenientemente. Afinal, ninguém deve se vestir para agradar ao outro, mas para a glória e o louvor de DEUS. Quando uma pessoa se sente à vontade para se vestir de qualquer jeito ou de uma maneira extravagante, prova, no primeiro caso, o quanto DEUS não é valorizado em sua vivência; e no segundo, revela uma imagem altamente egocêntrica (que gosta de atrair a atenção para si). As roupas que usamos são importantes para os cristãos porque servem de moldura para revelar a imagem d`Aquele a quem servimos e fomos feitos à Sua semelhança. Se formos pensar cuidadosamente em porquê fomos chamados por JESUS para ser “Luz do mundo” (Mateus 5:14), concluiremos que o “ser luz” não está apenas na beleza de nossas atitudes, como também em nossa aparência exterior.
A aparência do cristão serve para diferenciá-lo do mundo e reflete o Senhor a quem ele profere. Aliás, não só as roupas, como o nosso falar, o nosso caminhar, o nosso pensar e o nosso existir. A questão do egocentrismo é mais séria do que parece: não só põe o “eu” em relevância como estimula o pecado no outro. Isaías censura judias ricas por seu orgulho evidenciado por se adornarem da cabeça aos pés com jóias cintilantes e vestes caras. Elas seduziram os líderes, os quais eventualmente levaram a nação à desobediência e castigo divino: “Diz o Senhor: visto que as filhas de Sião se exaltam e andam de pescoço erguido, e têm olhares impudentes e, quando andam, como que vão dançando, e fazendo retinir os ornamentos dos seus pés, o Senhor fará tinhosa a cabeça das filhas de Sião, e o Senhor porá a descoberto a sua nudez. Naquele dia tirará o Senhor os seus enfeites: os anéis dos artelhos, as toucas, os colares em forma de meia lua, os brincos, os braceletes, os véus, os diademas, as cadeias dos artelhos, os cintos, as caixinhas de perfume e os amuletos, os sinetes e os anéis pendentes do nariz, os vestidos diáfanos (transparentes), os mantos, os xales, as bolsas, os espelhos, as capinhas de linho, e as tiaras e os véus” (Isaías 3: 16-23).
Outra história bíblica vem do esforço de Jezabel para induzir os israelitas à idolatria. A corrupção do seu coração é revelada pela tentativa que fez em sua última hora de parecer sedutora, pintando os seus olhos e adornando-se para a chegada do novo rei, Jeú: “Então Jeú foi a Jezreel. Quando Jezabel o soube, pintou em volta dos olhos, enfeitou a cabeça, e olhou pela janela” (2 Reis 9:30). Mas o rei não foi enganado e ela morreu de uma morte desonrada. Por causa disto, seu nome tornou-se símbolo de sedução na história do Livro Sagrado: “Mas tenho contra ti que toleras a Jezabel, mulher que se diz profetiza. Com o seu ensino ela engana os meus servos, seduzindo-os a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas aos ídolos” (Apocalipse 2:20). Há muitos outros casos na Bíblia que poderiam ser explicitados, como o de Ezequiel contra as mulheres Oolá e Oolibá; o de Jeremias, que usou de uma alegoria para representar o abandono político a Israel. Nesta alegoria achamos cosméticos e jóias que são usadas para seduzir os homens à prática de adultério. Essas e outras experiências nos ensinam o quanto o uso de adornos pode contribuir para uma rebelião com DEUS.
Em 1 Timóteo, o apóstolo Paulo nos faz uma advertência: “quero que, do mesmo modo, as mulheres se ataviem (se enfeitem) com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos dispendiosos, mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras” (2:9-10). Vestir-se moderadamente implica em cobrir adequadamente as partes do corpo que possam despertar impulsos sexuais no outro. DEUS nos convida a nos vestir modesta e decentemente, não só para prevenir o pecado, como também, preservar a intimidade. E quanto ao uso de calças compridas, não há problema algum desde que o corte esteja estabelecido para qual sexo. Mulheres não devem vestir roupas elaboradas exclusivamente para o uso masculino nem o contrário disso. O objetivo é de manter a distinção dos sexos que foi estabelecida desde a criação do mundo. Em Deuteronômio está escrito: “A mulher não usará roupa de homem, nem o homem roupa de mulher, pois quem faz tal coisa é abominável ao Senhor teu Deus” (22:5). A Bíblia não estabelece que tipos de roupas são de homens ou de mulheres, mas nos ensina a respeitar a distinção de um sexo e outro.
O cristão precisa ter muito cuidado: atualmente as modas lançadas tendem a abolir a distinção de homem e mulher. Também não podemos nos conformar com os valores e estilos sociais. Outro dia uma irmã ia passando em frente a um posto de gasolina vestida de saia colorida, botas coloridas, blusa colorida, duas “marias chiquinhas” prendendo o cabelo e a Bíblia embaixo do braço. Logo os bombeiros do posto gritavam para ela: “olha lá a xuxinha indo à igreja!”. Observe o que escreveu Paulo à Igreja em Roma: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2). É certo que há líderes religiosos impiedosos hoje em dia recaindo em extremos perigosos, pondo um julgo pesado e uma opressão desnecessária aos seus membros. Transformam a Casa de DEUS em empresas de homens e tratam os filhos de DEUS como empregados desobedientes, que não querem se adaptar ao fardamento profissional. Muitos não sabem nem dão a importância de mostrar amorosamente o que a Bíblia ensina. O “vestir-se” não é o principal exercício de santidade. JESUS pede um coração puro, um espírito quebrantado, um caráter justo; e essas coisas não dependem das indumentárias exteriores. O vestuário não faz o cristão, mas revela a sua identidade. As roupas não vão nem levam ao inferno, mas além de expressarem o que somos para nós mesmos, a nossa família e a nossa igreja, podem se tornar para o mundo mais um brilho transformador de nosso testemunho e de como DEUS é glorificado em nossa vida.

Fernando César – Professor, palestrante, evangelista e escritor pernambucano. Autor dos livros “NÃO MUDE DE RELIGIÃO: MUDE DE VIDA” ; “PÓDIO DA GRAÇA” e “ANTES QUE A LUZ DO SOL ESCUREÇA”. Também é líder pelo MINISTÉRIO INTERDENOMINACIONAL RECUPERANDO FAMÍLIAS PARA CRISTO.

Visite o nosso site: www.fernandocesar.com
Por: Fernando César Timóteo Alves
Comunidade Cristã Paz e Vida - Olinda/PE
fc2005@fernandocesar.com